Presidente do Estanciano nega ter participado de esquema

0

O presidente do Estanciano, Sidney Araújo, negou fazer parte de um esquema de venda de resultados que resultaria em benefícios financeiros para o time sergipano durante a Copa São Paulo de Futebol Júnior 2018. Nesta semana, o dirigente foi acusado de ter se envolvido em suposta oferta de propina a Ricardo Pereira, técnico do sub-20 do Estanciano. Dois supostos empresários e mais o próprio presidente teriam oferecido R$ 7 mil a Pereira para que o Canarinho perdesse partidas na Copa São Paulo. De acordo com Sidney, entretanto, o pedido de propina foi um artifício para tentar flagrar um suspeito dentro do próprio clube.

Ainda segundo Sidney, tudo começou quando ele recebeu uma ligação – de alguém cujo nome ele diz não poder revelar – informando-o de que poderia haver alguém envolvido em esquema de resultados dentro do Estanciano. “Conversei com o presidente Milton Dantas, informei a ele o que acontecia e disse a ele que iria tentar pegar essa pessoa envolvida e prendê-la, pois vender resultados seria uma sacanagem com o time”. A partir disto, o dirigente explica que reuniu dois amigos empresários para criar uma armação que flagrasse o corrupto. “A ideia era jogar o verde para colher maduro”. 

No meio do processo, Sidney diz que se encontrou com o técnico Ricardo Pereira e perguntou pela pessoa que seria alvo do artifício. “Aí foi feita uma proposta ao próprio Ricardo. E quando terminou essa conversa ele recusou a proposta, o chamei e disse a ele que ele era um homem de verdade. Depois disso contei a ele que era tudo uma armação e fui ver o primeiro jogo do Estanciano”. Araújo ressaltou ainda que não dispensou o técnico. “Ele é funcionário da empresa Valdevan 90, que investe no clube. Não o dispensei em nenhum momento e nem sou eu quem o paga. O que fiquei sabendo depois foi que ele pediu para ir embora porque estava com problemas em casa”.

O presidente do Estanciano frisou ainda que, pouco depois da conversa com Pereira, se reuniu com jogadores do time e tentou extrair deles alguma coisa. “Conversei com quatro jogadores, eles gravaram a conversa em áudio e entregaram para essa pessoa de quem suspeitamos fazer parte do esquema. E aí aconteceu esse rebuliço nas redes sociais”. Sidney reforça que não pode revelar quem é a pessoa de quem ele suspeita fazer parte de esquema dentro do Estanciano por falta de provas.

“Mesmo assim estou muito tranquilo e à disposição da Polícia Federal ou do que quer que seja para esclarecer tudo”, disse. Sidney destacou ainda que não está oficialmente afastado da presidência do Estanciano e que irá definir com a Federação Sergipana de Futebol seus próximos passos na situação.

Por Igor Matheus – Infonet

Imprimir