Em SE, Bolsonaro critica ideologia de gênero nas escolas

0

Em pré-campanha pelo país, o pré-candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro, desembarcou nesta quinta-feira, 6, na capital sergipana, onde conversou com jornalistas, se reuniu com a militância e participou do lançamento da pré-candidatura de João Tarantella ao Governo de Sergipe. Bolsonaro se defendeu do rótulo de homofóbico, mas alegou não concordar com a presença do tema da ideologia de gêneros nas escolas.

“A constituição fala que família é homem e mulher. Então, se um parlamentar apresentar uma PEC dizendo que família pode ser dois homens ou duas mulheres, aceito numa boa e ponto final. Não sou contra dois homens morarem juntos e terem sua vida, mas não posso admitir isso na escola. Nosso maior patrimônio é o nosso filho e nós não vamos querer ‘Joãozinho’ brincando de boneca por influência da escola. Depois de certa idade, se a criança resolver ser feliz dessa forma, que seja. Não sou homofóbico, mas não quero isso (ensino de ideologia de gênero) em sala de aula e respeito a família brasileira conforme escrito em nossa constituição”, opina.

Bolsonaro também revelou as medidas que pretende tomar em relação à Petrobras, caso seja eleito presidente da República. A princípio, ele não pensa em privatizar a Petrobras, mas não descarta uma possível parceria no modelo ‘golden share’, quando o Governo possui ações de ouro, que garantem direitos especiais e poder de veto em algumas decisões. “A Petrobras é uma empresa estratégica, e no primeiro momento, não penso em privatizar, mas de acordo com o modelo ‘golden share’, da Embraer, posso estudar esse assunto sem problema nenhum”, conta.

O pré-candidato criticou o Bolsa Família e defendeu a política do planejamento familiar. “Entre os vários programas que existem no Braisl, tem um que chama Brasil Carinhoso. Cada filho a mais, a pessoa ganha R$ 70. Você não pode estimular a pessoa a ter mais filho. Uma criança a mais, quando não entra no planejamento da casa, no lugar de ser alegria, passa a ser problema”, destaca.

Bolsonaro, que também defende o uso de arma de fogo por civis, ressaltou que os policiais devem ter autonomia para atirar. “Você tem que dar carta branca para o policial não morrer. E como não morrer? Atirando. Quando o policial atira, o pessoal inventa alguma coisa para botar no tribunal de júri e cada vez mais policiais não estão na rua ou evitam entrar em confronto, principalmente à paisana. A partir daí, a bandidagem cresce”, explica.

A postura do Governo diante da greve dos caminhoneiros também foi motivo de crítica por parte de Bolsonaro. “O Governo não consegue se antecipar a um problema. Eu que sou um simples deputado, vinha acompanhando esse caso em audiências e debates. Eixo levantando com caminhão vazio paga ou não pedágio? Isso era pra ter sido resolvido há muito tempo. A indústria da multa também. Você anda na orla do Rio de Janeiro com 70 a 90 km/h e na Rio/Santos a 40 km. Isso é meter a mão no bolso do caminhoneiro, que aumenta o frete e todo mundo paga a conta. O problema é de todos nós e se tiver outra paralisação, o Brasil vai quebrar de vez”.

O destravamento da economia, é na visão de Bolsonaro, a saída para solucionar a crise nos Estados. “Tem que destravar a economia, desburocratizar e desregulamentar muita coisa e fazer com que a atividade de ser patrão não dê tanta dor de cabeça. O empresariado tem dito pra mim que um dia o trabalhador vai ter que decidir entre menos direito no emprego ou todos direitos no emprego. Não temos que aumentar carga tributária, mas jogar e diminuir alguma coisa pro pessoal poder investir. N adianta ter empresa, se o pessoal não tem para quem vender? O pessoal não tem dinheiro, é a situação do Brasil”, comenta.

por Verlane Estácio 

 
Imprimir